Facebook


Participe da nossa rede social! Compartilhe, curte, comente! 
Sua opinião é muito importante para o crescimento do grupo.
Você faz parte do GEAAV!

Jamily de Alyson Miguel


Mais uma vez a prova de que o amor é a melhor resposta. Alyson adolescente, negro, adotado aos 10 anos de idade por um casal homoafetivo. Essa história de amor, acima do preconceito, transformou a vida desse garoto e é mais uma prova que o amor, respeito, atenção, limites e boa educação, é o que influência no crescimento e desenvolvimento de um cidadão e não a orientação sexual dele ou de seus responsáveis.
Alyson Miguel Harrad Reis lançou um livro infantil intitulado “Jamily, a holandesa negra – a história de uma adoção homoafetiva”, e conta um pouco da trajetória de adoção de Jamily.
Na verdade a personagem nada mais é que a história de Alyson, contada por outros personagens. O pequeno autor tinha problemas com as letras e seu pai, Reis, Doutor em Educação desenvolveu um processo para filho ler três livros por mês, com o desafio de responder perguntas que incluíam o que a trama interferia na vida do leitor. Até que um dia ele quis escrever uma história sua, pois estava cansado de ler a histórias dos outros e foi aí que surgiu o livro. No livro, o adolescente virou Jamily; o Rio de Janeiro virou a Etiópia; e Curitiba, Amsterdã. Cada passagem do livro conta um pouco do que a adolescente passou, incluindo a adoção e os sofrimentos da personagem ao desembarcar na escola. Alyson viveu em diversos abrigos do estado, sem pais.
Porém a vida sorri para o garoto e ele é adotado por Toni Reis e Davi Harrad e a vida do adolescente muda da água para o vinho.
Alyson conta que uma vez na aula de inglês, um colega chamou seus pais de gay e a professora disse a ele que os pais de Alyson, sendo gays assumidos, deram melhor educação para ele que qualquer outro pai dos alunos da escola.
Esperamos que com esse exemplo, mais casais sejam incentivados a adotar, e não só isso, mas adotar crianças fora da faixa de idade nas quais são mais comuns as adoções. Existem mais crianças que não são mais bebês, para adoção, que precisam de um lar, carinho, só esperando por uma oportunidade.

O livro foi lançado na Casa Hoffmann, no Largo da Ordem em Curtiba. Esperamos mais e mais livros desse pequeno prodígio de apenas 13 anos. Sucesso Alyson.

Fonte: https://luizmullerpt.wordpress.com

Caixinha Mágica de Luiza Trigo


Priscila tem uma vida bem diferente de todas as outras meninas de sua idade. Quando mais nova, perdeu os pais e passou a viver em um orfanato, afastada de tudo e todos com quem teve contato um dia. Mas aos doze anos, na noite de Natal, uma surpresa muda a sua vida e a maneira de relembrar o passado e de imaginar o futuro, fazendo-a ser ainda mais especial. O que será que aconteceu naquele Natal? A caixinha mágica é um conto especial da autora Luiza Trigo que traz fantasia e diversão; assim como todo Natal deve ser.

Clique na imagem e baixe o livro em PDF

Piangers Adotivo

Meu filho foi um susto. Meu filho não foi planejado. Meu filho foi uma surpresa. A gente não estava tentando. Meu filho foi um acidente. Sem dúvida, o melhor acidente que pode acontecer a alguém. Você, que acidentalmente virou pai: você é um sortudo. Não é acidente. É uma sorte danada.
Existem casais que estão tentando engravidar há meses. Casais que dariam tudo por um acidente. Eles já tentaram no mês certo, todas as noite, baixaram aplicativos, consultaram médicos. Fizeram testes, tentaram de novo. Cada atraso era uma esperança. Fizeram mais testes. Calcularam se uma inseminação cabe no orçamento. Choraram juntos. Rezaram por um acidente.
Então, eles decidiram adotar. Uma adoção não é um acidente. É uma escolha. O pai que adota amou demais. Ama porque foi sofrido. Ama porque foi difícil demais. E agora a criança chegou. E não foi acidente, foi muito amor.
Existem pais biológicos e pais adotivos. E todos os pais biológicos que decidiram participar da criação dos seus filhos biológicos são também pais adotivos. Todos os dias decido adotar as minhas filhas, decido que vou ser um pai presente. Há pais biológicos que decidem abandonar, mas todo pai adotivo decidiu participar. Porque foi sofrido, e difícil, e demorado. Porque não foi acidente.
Aí está o segredo que todo pai deveria saber: ter um filho é difícil e terrivelmente cansativo. E porque é tão difícil, é maravilhoso. É a nossa obra-prima. E obras-primas são trabalhosas e levam anos pra ficar prontas. E a gente se apaixona por elas.
Porque é trabalhoso é que nos emocionamos quando a obra-prima fica bonita. Porque é trabalhoso é que nos emocionamos quando a nossa obra-prima diz um “com licença” ou um “obrigado”. Quando a nossa obra-prima se forma na escola, quando passa no vestibular, quando faz uma carreira brilhante. É a nossa obra-prima. Foi trabalho e noite em claro e choro e exames médicos e fila de espera e atraso e desesperança. Foi briga e discussão e castigo e abraço. Foi profundamente complicado e terrivelmente desafiador.
Não foi acidente. Nenhuma obra-prima é acidental. É amor demais.

Por: Marcos Piangers

Recém-nascida é abandonada em bueiro em São José, SP


Um bebê recém-nascido foi encontrado em um bueiro no bairro Santa Maria, na zona leste de São José dos Campos  (SP), na manhã deste domingo (19). A menina foi resgatada com hipotermia e está internada em estado grave no Hospital Municipal.
O bebê foi encontrado por volta das 8h por moradores da região. De acordo com o morador Aderaldo Gomes da Silva, que encontrou a criança, ele estava passando pelo local quando ouviu o choro do bebê.
"Eu saí cedo de casa para comprar pão na mercearia e passando no local escutei rugido de gato ou cachorro e falei para o vizinho para irmos buscar ferramenta em casa para resgatar. Quando começamos, o vizinho viu que o pé da criança. Isso não se faz nem com um animal, achei um absurdo", contou.
A criança foi levada para o Hospital Municipal. Segundo os médicos, ela tinha poucas horas de vida quando foi resgatada. A menina segue internada em estado grave na UTI e não corre risco de morrer.


Um boletim de ocorrência foi registrado no 3º DP. A Polícia Civil investiga o crime e até a publicação desta reportagem a mãe da criança não havia sido identificada.

Qual a importância e o significado dos pais biológicos para os filhos adotivos?


O professor da UFPE e pai adotivo, Guilherme Moura, falou sobre o assunto e contou que faz parte da biografia do filho por adoção a existência do genitor e genitora como seres diferentes dos pais e mães. 

De acordo com Guilherme, é importante enfatizar a diferença desses conceitos. “O genitor e a genitora, são aqueles que geram, que gestam. Tem a ver com a gestação do ser humano. O pai é aquele que cuida, que protege. Muitas das vezes, esses dois papéis estão na mesma pessoa, mas nem sempre isso é verdade. De tal maneira que, às vezes, alguém é genitor, mas não se converte eu pai; ou genitora e não se torna mãe", apontou. 

Ainda segundo o professor, o que define a presença do pai ou da mãe é simplesmente o laço afetivo. “Portanto, a adoção”, disse.

Guilherme Moura explicou que esse assunto nem sempre é bem entendido pelos pais e mães e, conseqüentemente, nem sempre é bem trabalhado com os filhos. Se bem entendido, fica claro que esse assunto não é um problema. “Eu sou pai porque eu adotei meu filho e meu filho me adotou como pai. O genitor e a genitora dos meus filhos são outras pessoas, e isso é um dado da biografia dele, e é muito importante que todos aqueles que constituem uma família por adoção, que acolham esse elemento da biografia. Quando a gente adota um filho, adota também a história do filho”, concluiu.  

Do ponto de vista legal, inclusive, a lei garante o direito desse filho ter acesso a documentos que registrem essa origem.

Clique na imagem acima e ouça a reportagem na íntegra!

Professor fala sobre processo de espera da adoção

Guilherme Moura conversou com o comunicador Marcelo Araújo na coluna Atitude. Clique na imagem e vá até a pagina para ouvir a reportagem!

Garantia dos direitos da criança e do adolescente

O estado tem o dever de dar cumprimento aos direitos das crianças e adolescentes. E o que dizer das práticas de gestão pública que submetem crianças e adolescentes abrigados pelo poder público ao abandono? O estado, que deveria acolher os que já sofreram abandono, promovem novas práticas de desamparo. O perfil das crianças e adolescentes que vivem nas casas de acolhimento e estão à espera da adoção será tema de um encontro que acontece no município do Paulista, na Região Metropolitana do Recife, neste sábado, a partir das 16h. A ideia é preparar as pessoas para receber com naturalidade um filho por meio da adoção. O evento terá como palestrantes os conselheiros tutelares Laudicéia Lira e Antônio Tavares de Menezes Filho. A programação é aberta ao público e deve reunir pessoas das cidades do Litoral Norte da Região Metropolitana do Recife. O trabalho é coordenado pelo Grupo de Apoio à Adoção do Paulista (GAAP) e ocorre na Escola Firmino da Veiga, na Rua do Sabugi, sem número, no Centro do Paulista.

Fonte: http://radiojornal.ne10.uol.com.br/

Divulgando Adoção


O Casulo iniciou uma campanha de divulgação da adoção, em forma de jogo americano de papel. Sera divulgado nos restaurantes de Itabirito, Ouro Preto e Cachoeira do Campo.
Muito bacana!